“A juventude tem uma força que precisa ser bem aproveitada”, diz Irmã Clara Venturini

Participando pela segunda vez do Vinde e Vede, aos 83 anos, a religiosa acredita que os jovens podem construir uma sociedade melhor

Dos seus 83 anos vividos, a Irmã Clara Venturini, da congregação das Irmãs Beneditinas da Divina Providência, dedicou quase 70 em sua vida religiosa. Natural de Criciúma, ela aceitou o chamado de Deus aos 14 anos, quando conheceu o padre Agenor Neves Marques, em Siderópolis, que lhe ajudou a discernir a vocação.

Presente pela segunda vez no Vinde e Vede, a religiosa conta que para seguir o chamado de Deus precisou, na fé, superar obstáculos. “No começo foi muito difícil, minha mãe até aceitava, mas não pai não queria. Ele levou dois anos para aceitar”.

Em uma família de 10 irmãs, duas delas seguiram o chamado para a vida religiosa. Além da Irmã Clara Venturini, a Irmã Ana Luiza, falecida em 2015, sentiu a vocação no coração e seguiu a vontade de Deus. “Assim que meu pai aceitou que eu fosse, a Irmã Ana também disse que queria servir”, lembra.

Durante os quase 70 anos de vida religiosa, Irmã Clara visitou países de todo o mundo como missionária. Por 12 anos, ela coordenou uma comunidade na Itália e participou da abertura do processo de canonização de Maria e Giustina Schiapparoli fundadoras das Irmãs Beneditinas da Divina Providência, em 1845, em Voghera, comunidade norte-italiana.