“As pessoas precisam reaprender a procurar os postos de Saúde”, afirma Secretária

Titular da pasta em Criciúma afirma que não há alternativa e o Santa Catarina vai atender casos de urgência e emergência

 

Secretária de Saúde de Criciúma Franciele Gava quer apresentar até o início da próxima semana o novo esquema de funcionamento do Santa Catarina. O hospital passa a atender apenas urgência e emergência. É o início da chamada porta referenciada. Para a secretária, a população vai precisar se ajustar, ser reeducada e procurar mais as unidades de saúde. “Na segunda-feira vamos apresentar um plano de gestão aos vereadores. Não há outra alternativa. Vai funcionar assim e é essa a alternativa para manter funcionando. As pessoas precisam entender que os casos mais simples terão que ser levados para as unidades de saúde. É sim um caso de reeducação da população”, argumenta.

O ponto de vista da Secretária é defendido também pelo prefeito Clésio Salvaro. “Hospital tem que ser hospital e não unidade de saúde. A rotina em qualquer lugar do mundo é essa. Vai na unidade básica de saúde, se for necessário vai para o Hospital, caso contrário volta para casa. Se não for assim, não tem porque ter 54 unidades de saúde na cidade. Preferia que fosse mantida a porta aberta, mas a decisão foi técnica”, explica.

Mas as explicações ainda não convenceram os vereadores. “Nossa dúvida é. Como estas crianças vão ser atendidas nas unidades de saúde. E a noite e nos fins de semanas. Queremos muito debate, queremos que esse assunto seja muito esclarecido. Se não for assim, vamos nos posicionar de forma contrária. Sabemos que não há dinheiro para tudo, mas não vamos aceitar um retrocesso”, argumenta o vereador Tita Beloli (PMDB).

Mas a secretária garante, ninguém fica sem atendimento. “Vai ser feita uma triagem. Se a criança procurar no fim de semana, a noite e não puder esperar no outro dia ou até o fim de semana ela vai ser atendida. E nas unidades o atendimento vai ser sim com o clínico geral”.