Cresce número de casos de chikungunya em Santa Catarina

Santa Catarina segue registrado aumento nos casos de doenças transmitidas através do Aedes Aegypti, em especial a Febre chikungunya. Em apenas 15 dias, 121 novos focos foram identificados no estado, de acordo com o boletim epidemiológico divulgado hoje, 15.08, pela Diretoria de Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Estado da Saúde (Dive/SES/SC) em comparação com o boletim anterior.

No total, 8.147 focos foram identificados este ano, em 137 municípios, volume 25% maior do que o registrado no mesmo período do ano passado. “Desses, 60 municípios são considerados infestados, o que aumenta o risco de transmissão, tanto neles próprios quanto nos demais, em função do trânsito de pessoas e da dispersão do mosquito transmissor”, alerta João Fuck, coordenador do programa de controle da dengue em Santa Catarina.

Das três doenças transmitidas pelo mosquito – dengue, febre do zika vírus e febre de chikungunya – essa última é a que vem apresentando o maior número de casos. De 1 de janeiro a 29 de julho, conforme o boletim epidemiológico, 27 casos de febre de chikungunya foram confirmados, sendo 25 importados. Outros 2 casos confirmados estão em investigação de local provável de infecção. Outros 31 permanecem como suspeitos, aguardando resultado laboratorial.

Em relação às demais doenças transmitidas pelo Aedes aegypti, foram confirmados 10 casos de dengue, sendo 6 importados, 1 autóctone, 1 indeterminado e 2 em investigação de local provável de infecção; e 1 caso de febre de zika vírus, importado. Na comparação com o boletim epidemiológico anterior, foram 3 novos casos de febre de chikungunya e 1 de dengue.