Em audiência, comunidades cobram medidas compensatórias do Estado

Líderes comunitários dos bairros São Domingos e Vila Maria conheceram nesta quinta-feira o estudo do impacto de vizinhança das obras da penitenciária Feminina e do Case. De acordo com o levantamento, não haverá grandes impactos e pequenos ajustes resolveriam os possíveis problemas.

“As pessoas usaram a palavra e deixaram claro que a rotina deles mudou muito e eles precisam sim de medidas compensatórias para amenizar essa situação”, explica o vereador Ademir Jose Honorato.

Segundo ele, um requerimento será encaminhado pela Câmara de Criciúma e pelo legislativo de Araranguá para pressionar o Estado. “Vamos agora partir para algo concreto. Cobrar do Governador e assegurar que as obras sejam executadas”.

“Queremos que as melhorias cheguem também para a comunidade de Araranguá, que é quem mais vem sofrendo. Temos convicções que o número de internos será bem maior do que o previsto. O Case deveria ser uma escola agrícola”, emenda a advogada Tina Rosso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *