Governo capacita médicos para prevenção a Aids

Criciúma

Em alusão ao Dia Mundial de Luta Contra a Aids, comemorado dia 1º de dezembro, o Programa de Atenção Municipal às DST/HIV/Aids (Pamdha) realizará uma capacitação para médicos e enfermeiros da Rede de Atenção Básica nesta quarta-feira (28). O encontro ocorrerá no Interclass Hotel e visa discutir o Cuidado Compartilhado entre Serviço Especializado e Atenção Básica para pessoas vivendo com HIV.

As palestras serão ministradas pelo infectologista, Rafael Aguiar Macial, infectologista e pesquisador da Unifesp, Ricardo Diaz e a consultora da Cooperação Interfederativa de Santa Catarina, Vanessa Baldez do Canto.

Atualmente, são mais de quatro mil pessoas acompanhadas e atendidas para tratamento de HIV em Criciúma. No ano passado, foram notificados 170 novos casos de HIV/Aids no município. De janeiro até outubro deste ano já foram registradas mais 176 pessoas. Segundo a coordenadora do Pamdha, Patrícia Oenning, a concentração de casos está na faixa etária de 20 a 49 anos e do sexo masculino. “A taxa de detecção do município é de 39,6 por 100 mil habitantes, sendo mais alta que a taxa nacional de 20,4 e estadual que é de 32,2 por 100 mil habitantes”, compara.

Conforme a coordenadora, a capacitação e a implantação do novo modelo assistencial é para obter uma melhora no atendimento às pessoas vivendo com HIV. Não focando apenas nos serviços especializados, mas sim em diferentes níveis da atenção básica. “Nesse novo modelo, a atenção básica será a porta de entrada e ordenadora do cuidado, garantindo um adequado acesso aos usuários do sistema, possibilitando às pessoas infectadas que convivam melhor com o HIV e tenham mais qualidade de vida”, frisa a coordenadora.

Declaração de Paris

Com objetivo de acabar com a epidemia de HIV/Aids do município até 2030, a Prefeitura de Criciúma assinou a Declaração de Paris em julho. A coordenadora explica que entre os compromissos, está a meta 90-90-90. “Quer dizer 90% das pessoas que vivem com HIV diagnosticadas, 90% das pessoas que sabem que têm HIV recebendo tratamento antirretroviral e 90% das pessoas em tratamento antirretroviral com carga viral indetectável”.

A proposta foi encabeçada pelo Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/Aids (Unaids), um órgão da Organização das Nações Unidas (ONU).

Testes rápidos

Além da declaração, a Administração Municipal também oferece testes rápidos em todas as Unidades Básicas de Saúde (UBS) do município. O exame é gratuito e sigiloso.