Médico é condenado por morte de adolescente

Criciúma

A 4ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC), por votação unânime, no último dia 21 de fevereiro, negou recurso de um médico de Criciúma condenado pelo crime de homicídio culposo. De acordo com os autos, ele examinou uma adolescente de 16 anos com sinais de infecção cervical grave, mas realizou uma consulta superficial e receitou apenas medicamentos sintomáticos. Ela morreu dias depois em razão de uma faringite bacteriana gangrenosa, com sangramentos no nariz, boca, olhos e vagina.

Nos prontuários de atendimento, como mostra o processo, não há registro dos sinais vitais da paciente, nem requisição de exames complementares ou mesmo encaminhamento para internação. Para os magistrados, ficou devidamente comprovado a conduta negligente do médico e a morte da vítima.

Em 22 de agosto de 2009, com dor de garganta, febre, dores na coluna cervical e dificuldade em abrir a boca, a vítima foi levada pela mãe a um posto de atendimento 24 horas. A médica de plantão suspeitou que ela estivesse com caxumba, deu uma injeção e indicou que ficasse em observação. Horas depois assumiu outra médica, ré neste processo, que seguiu a mesma linha: aplicou remédio para dor, receitou outros dois e liberou a paciente sem pedir nenhum exame.