“Não há motivo para pânico, mas momento exige cuidados”, orienta médico

Criciúma

Referência quando o assunto é pneumologia, o médico Renato Mattos confirma que o Covid-19 exige cuidados redobrados, mas garante que não há motivo para pânico. “Essa histeria não se justifica. Não há necessidade de andar nas ruas de máscara, mas claro que o momento exige cuidados. Evitar aglomerações como baladas, por exemplo, é uma medida inteligente”, ressaltou durante entrevista a Massa FM.

Mattos reforça que algumas medidas básicas ajudam a reduzir o risco de contágio. “O álcool gel é eficaz e deve ser adotado. Além disso, lavar corretamente as mãos com água e sabonete ou sabão, adotar a etiqueta da tosse e evitar as aglomerações são fundamentais para reduzir as chances de contágio”.

O Médico explica diferente da H1N1 o Covid-19 não tem afetado as crianças de maneira mais severa. “Mas a criança contaminada, mesmo não sofrendo com o quadro mais severo da doença, pode transmitir o vírus para os pais e para os avós e são estes os mais afetados até o momento em todo o mundo”, comenta.

A grande preocupação, explica Renato Mattos, é com o sistema hospitalar para atender a demanda quando os casos crescerem no país. “Não há condição de atender a todos, principalmente os que precisam de ventilação mecânica. Na Itália, por exemplo, eles suspenderam cirurgias e estão usando essas salas com respiradores para atender os doentes. Essa é a grande preocupação”.

Segundo ele, a tendência é que nas próximas semanas o Brasil chega ao pico da doença. “Cada contaminado, passa o vírus para mais três, esses três para outros três. É uma projeção geométrica e isso vai ocorrer”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *