Pacientes com câncer seguem sem medicamentos

Criciúma

Pacientes com leucemia mieloide crônica estão vivendo dias de angústia. O medicamento utilizado para o tratamento da doença está em falta e por ora não há previsão de quando a distribuição será normalizada. O Mesilato de Imatinibe é de alto custo.

“Na droga raia uma caixinha custa mais de 5 mil reais. Não tem como comprar. Estamos ligando todo dia para saber se há previsão de chegada, mas até agora nada. Meu marido é paciente e tem remédio para apenas 18 dias”, argumenta a ouvinte Fernanda Nunes.

Em nota a gerência regional de Saúde informa que a distribuição é de responsabilidade do Governo Federal. “Os medicamentos Imatinibe e Trastuzumabe são de responsabilidade do Ministério da Saúde, ou seja, ele planeja, compra e distribui aos Estados para envio aos Unacons. Em e-mail enviado ao Hospital São José o Ministério da Saúde confirma o atraso, mas não dá um prazo para que a distribuição seja normalizada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *