População em situação de rua pode recorrer ao Centro Pop em Criciúma

Criciúma

Todos têm uma família antes de passar por aqui. É isso que a sociedade não reconhece: que eles são sujeitos e que mesmo estando em situação de rua, possuem os seus direitos”, enfatiza a coordenadora do Centro de Referência Especializado para População em Situação de Rua (Centro Pop), Maria Estela Costa da Silva. A casa, localizada na rua Martinho Lutero, 179-325, é vinculada à Secretaria de Assistência Social e Habitação e fica aberta de segunda a sexta-feira. Possibilitando a passagem da população durante o dia, a instalação dispõe de refeições, vestuário, sanitários, lavanderia, higiene pessoal, armazenamento de pertences e emissão de documentos.

Durante o último mês de setembro, 150 pessoas foram atendidas e 411 peças de roupas foram distribuídas. As refeições do Centro Pop seguem um cardápio preparado com opções diversificadas. Os cidadãos que recorrem ao local possuem direito a um lanche e um banho na parte da manhã e outro lanche no período da tarde. Além disso, a população possui atendimentos psicossociais que viabilizam possíveis encaminhamentos. “Muitas vezes eles estão em situações fragilizadas ou em conflitos, sejam familiares, existenciais ou até mesmo orgânicos. A gente tenta ter um olhar que possa atender a necessidade momentânea. Dessa forma vamos filtrando, as vezes é um acolhimento, outras um direcionamento, um local para ficar ou para comer”, comenta o psicólogo da instituição, André Fernandes Américo.

Com acolhimento e sem julgamentos, dentro dos trabalhos psicossociais, é trabalhado a autonomia dos usuários. Durante o processo, os profissionais buscam realizar o acolhimento e a escuta qualificada, identificando as vulnerabilidades e os encaminhamentos necessários para a superação de ciclos, como a fome, falta de moradia, desemprego, dentre outros.

“Esse é o papel principal da equipe: fazer com que os usuários tenham acesso aos direitos que a eles são garantidos. Nós temos vários casos, por exemplo, que foram encaminhados ao CadÚnico e pela situação que se apresentava de vulnerabilidade social e tinha direito ao Bolsa Família. Aqueles que possuem acima de 65 anos que têm direito ao Benefício de Prestação Continuada nós também fazemos o encaminhamento por aqui”, conta a assistente social do Pop,  Leila Ferrari.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *