Prefeito recua e Santa Catarina mantém portas abertas

O prefeito Clésio Salvaro recuou e o Santa Catarina não irá mais funcionar com porta referenciada, que permite apenas pacientes com urgência e emergência. A decisão foi confirmada nesta manhã pelo Direto do Santa Catarina, médico Leon Iotti.

“Não haverá mudanças e o atendimento vai seguir normalmente. Vamos confiar nessa promessa do Governo Federal de 200 mil extras nos próximos cinco meses. Esperamos que após este período se encontre uma alternativa para que não tenhamos mais qualquer tipo de problema”, explica.

Iotti também pede a população que siga procurando preferencialmente as unidades de saúde para os casos mais simples. “Porque o caminho correto é esse. Nesses últimos dias, é preciso reconhecer, a procura de casos não graves tem sido pequena, mas costumeiramente recebemos aqui pais que querem pesar as crianças, que querem conferir carteira de vacinação, buscar remédio, pedir atestado e esse não é o papel do hospital”.

Na próxima semana, um representante do Ministério fará visita técnica no Hospital. “Essa visita pode resultar em mais dinheiro ao Hospital. Pedimos que o Governo Federal coloque R$ 1 milhão em cinco parcelas de 200 mil para que a região tenha tempo de encontrar uma saída. Para cada real que colocarmos o Governo Federal coloca mais um então também vamos voltar a conversar com os prefeitos para tentar buscar uma nova pauta, uma nova parceria”, explica o prefeito de Cocal do Sul e presidente da Amrec Ademir Magagnin, que participou ontem de reunião com o Ministro da Saúde em Brasília.