Projeto que vetava vereador no executivo é rejeitado

Projeto do Vereador Ademir Honorato, que pretendia alterar a lei orgânica do município e impedir que vereador se licenciasse e assumisse cargo de secretário foi rejeitado. A matéria foi a votação na sessão desta segunda-feira no Legislativo de Criciúma. A matéria recebeu 10 voto favoráveis, dois a menos do que o necessário para sua aprovação. Seis parlamentares votaram contra e a vereadora Camila do Nascimento estava ausente. Votaram contra o projeto os vereadores, Alisson Pires, Aldinei Potelecki, Dailto Feuser, Geovânia Zanette, Moacir Dajori e Pastor Jair Alexandre.

Durante sua defesa o vereador Ademir Honorato (PMDB) reafirmou que não quer oferecer mudança no Estado e no Governo Federal, mas sim no Município.  “Se o vereador foi eleito para tal, deve assumir o cargo. Vamos fazer a vontade do povo, fazer aquilo ao qual fomos eleitos. Vamos legislar para o povo, e não em benefício próprio. O povo, nas ruas, está pedindo. Vamos servir de exemplo, manter nosso mandato, e começando por aqui. Temos que mostrar o porquê de estarmos aqui. Isso vai melhorar a nossa cidade, aumentar a fiscalização”, frisou o autor do projeto, antes de ir à votação. Honorato lembrou ainda que vários municípios já aprovaram esse projeto, e outros estão discutindo.

A matéria, caso fosse aprovada, iria enfrentar uma ação judicial do prefeito Clésio Salvaro. Durante evento na Acic, nesta noite de segunda-feira, ele deixou claro sua posição. “A Câmara é independente, mas não vamos mudar regras que estão garantidas na constituição. Se for assim, eles daqui a pouco vão querer definir que prefeito não pode mais se reeleger. Se aprovar, acho que não passa, vou a justiça”.