Trabalhadores de agroindústrias podem paralisar

Forquilhinha

Com impasse nas negociações, os trabalhadores das agroindústrias das unidades da JBS de Forquilhinha e Nova Veneza podem entrar em greve nos próximos dias. Nas Assembleias realizadas dias 06 e 07 de novembro, a categoria rejeitou a proposta da empresa de 3,97% da inflação do período aplicado na refeição e no abono.  Os trabalhadores pedem, aumento de 3% acima da inflação, acrescentar na cesta básica de Nova Veneza e Morro Grande 1 k de feijão, 1k de coxa e quatro rolos de papel higiênico e 40 horas para levar o filho ao médico.

Mais o abono para a unidade de Nova Veneza de R$ 1.200,00, triênio no percentual de 2% – ou sejá a cada três anos  na mesma empresa um aumento salarial de 2% para os trabalhadores, descontar do abono a ser recebido em abril de 2019 o percentual de 12% somente dos trabalhadores não sócios com faixa salarial de até R$ 1.800,00 e 20% com faixa salarial acima deste valor. Este percentual deverá ser revertido ao Sindicato. Renovação das demais cláusulas dos Acordos e Convenções Coletivas de Trabalho de 2017/2018. 

Conforme o diretor do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Alimentação de Criciúma e região (Sintiacr), Célio Elias, a empresa não valoriza os trabalhadores querendo repassar somente o INPC “além de não oferecer um bom atendimento em saúde com uma enfermaria prestando um mau atendimento na unidade de Nova Veneza”, explica o sindicalista.

São cerca de 3,5 mil profissionais distribuídos nas duas empresas. A produção diária de frango está em média 310 mil aves. Célio lembra que a indústria de processamento de carnes no Brasil é o setor econômico que mais adoece os trabalhadores.