Conecte-se conosco

Economia

Criciúma tem 12 vagas no Programa Nascer de inovação da Fapesc

Publicado

em

Ouça esta matéria

As ideias inovadoras de Criciúma terão 12 vagas para integrar o Programa Nascer da Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de Santa Catarina (Fapesc). As inscrições devem ser realizadas até o dia 30 de junho no  site da entidade e os grupos selecionados ficarão cinco meses em processo de pré-incubação, com o apoio de ferramentas, consultorias, mentorias, assessorias e apoio institucional.

O Programa Nascer funciona como uma pré-incubação de ideias inovadoras que possam contribuir para o Ecossistema Catarinense de Inovação. “Vão ser aprovadas até 360 propostas, distribuídas entre as 15 cidades-polo, como Criciúma que pode ter até 12 ideias aprovadas na primeira etapa com equipes de até cinco pessoas”, explica Patricia Darolt, que faz parte do Comitê de Implantação do Centro Tecnológico de Criciúma.

As propostas devem ter como base as ideias de produtos ou processos inovadores, com potencial para se transformar em startups que envolvam a conversão de conhecimento tecnológico em novos produtos, processos ou serviços aptos para a introdução e exploração no mercado.

Continue Lendo
Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Iniciativa da CDL, Café de Ideias aborda relações trabalhistas no varejo

Publicado

em

Ouça esta matéria

A Convenção coletiva do varejo criciumense foi assinada no mês de maio, mas muitas dúvidas ainda permeiam o tema. Para saná-las, a Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Criciúma realiza, na próxima semana, mais uma edição do Café de Ideias, desta vez abordando “Relações trabalhistas, o que é fundamental você saber?”. O convidado será o assessor jurídico do Sindilojas, o advogado Tito Lívio de Assis Góes. No evento, que ocorre gratuitamente e de forma online, ele fará alguns esclarecimentos importantes a respeito do assunto.

De acordo com o especialista, além da convenção e das relações trabalhistas em si, os lojistas também receberão mais informações sobre como obter o certificado de adesão junto ao sindicato patronal. “Com a celebração da convenção, ficou estabelecido que é preciso ter o certificado para poder se utilizar de cláusulas convencionadas, como segurança jurídica no desenvolvimento da atividade empresarial. É um tema bastante relevante e atual, que ainda gera muitos questionamentos por parte dos comerciantes”, alega o advogado.

Para o presidente da CDL, Tiago Marangoni, esta é uma excelente oportunidade para os varejistas entenderem o impacto que as novas diretrizes da convenção pode gerar nos negócios. “O Tito Lívio é altamente capacitado para falar sobre gestão de pessoas, o que ela representa e a importância de fazê-la da melhor forma. Convido todos os lojistas para participarem do evento que, mais uma vez, entregará conhecimento gratuito e de qualidade, para capacitar cada vez mais o varejo do município”, enfatiza.

O Café de Ideias é uma iniciativa da CDL e, neste mês, ocorre e na quarta-feira, dia 23, a partir das 9 horas, pela ferramenta online Zoom.

Sobre o convidado

Tito Livio é graduado em Direito pela Universidade Federal de Santa Catarina (Ufsc). Ex-conselheiro estadual da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), seção Santa Catarina, vice-presidente regional sul da Fecomércio SC, é um dos sócios da Góes e Góes Advogados. Assessor jurídico do Sindilojas há 42 anos, é especialista em direito do trabalho.

Continue Lendo

Agronegócio

Auditora do Ministério de Agricultura visita agroindústrias da região

Publicado

em

Ouça esta matéria

As agroindústrias da região do Consórcio Intermunicipal Multifinálitario da Associação dos Municípios da Região Carbonífera (CIM-AMREC) estão recebendo esta semana a Consultora do Ministério da Agricultura. Esse é o terceiro encontrou com os empresários da região (dois presenciais e um virtual) para orientação aos serviços de inspeção para que o Consórcio possa pedir o selo do Sistema Brasileiro de Inspeção de Produtos de Origem Animal (SISBI).

Conforme a consultora, Loiane Mayra de Souza, muitas mudanças solicitadas já foram executadas. “Boa parte do que foi colocado no plano de ação, pôde-se perceber que os empresários já procuraram a melhor forma de resolver. Cerca de 70%, faltando o que as exigências que demandam de mais investimento e as que não tem grande influência na segurança do produto”, observou a Consultora.

A visita desta terça-feira (15/06) foi em uma agroindústria de ovos do município de Içara, que hoje produz cerca de 3.300 ovos por dia de média. Conforme os empresários Fabiano José Bortolatto e Simone Guollo Bortolatto, a intenção é expandir a produção com o selo, que já poderão atender outras regiões. “Hoje atendemos Criciúma, Içara e Morro da Fumaça, com o serviço municipal de inspeção, mas planejamos atender municípios até Florianópolis”, revela Fabiano.

Agroindústrias de Criciúma, Lauro Muller e Nova Veneza também devem receber as visitas. Conforme a presidente do Colegiado de Agricultura e secretaria de agricultura de Morro da Fumaça, Patrícia Coral, a visita deixa a região confiante e na expectativa do sonhado selo. “A consultoria nos deixa mais tranquilos para pedirmos o selo, já que muitas das exigências estão sendo atendidas”, avalia.

O secretário de agricultura de Içara, que também acompanhou a visita, Silvio João Viana, lembra que a luta pelo sole já um processo e um sonho antigo, devido ao grau de exigência. “Estamos na reta final para receber o selo, o que vai permitir o crescimento e a expansão dos negócios para os produtores de Içara e da AMREC. Assim que recebermos o selo, esperamos que outras agroindústrias possam se adequar para terrem permissão de comercializarem seus produtos em todo território nacional”, avalia o secretário. Para ele, em breve poderemos ver os produtores da região expandindo os negócios e agregando ainda mais valor nos produtos produzidos aqui.

Continue Lendo

Economia

Empresas Juniores da Unesc integram MEJ

Publicado

em

Ouça esta matéria

Considerada a principal ferramenta de educação empreendedora no ambiente acadêmico, o Movimento Empresa Júnior (MEJ) já é uma realidade próxima dentro da Unesc. Representado pelo Diretório Central dos Estudantes (DCE), por meio do seu Departamento de Amparo às Empresas Juniores (EJ), as EJ’s da universidade passarão a compor um núcleo institucionalizado e autônomo, com foco na aproximação com a Federação de Empresas Juniores do Estado de Santa Catarina (Fejesc) e Brasil Jr, potencializando o diálogo entre a instituição e demais instâncias de representação em nível estadual e nacional.

O MEJ é um movimento nacional que surgiu com a missão de formar, por meio da vivência empresarial, empreendedores comprometidos e capazes de transformar o Brasil. Desde 2010, o movimento já impactou mais de R$ 100 milhões na economia brasileira, que são integralmente reinvestidos na educação empreendedora dos estudantes. São mais de 1200 empresas juniores confederadas à Brasil Jr em mais de 226 instituições de ensino superior (IES) públicas e privadas em todos os estados brasileiros.

As Empresas Juniores não são uma novidade na Unesc. A Universidade tem uma equipe dedicada na sua Agência de Inovação (Aditt), por meio do Núcleo de Empreendedorismo, para apoiar o processo de criação e desenvolvimento da sustentabilidade das empresas juniores na instituição, atualmente cinco em funcionamento e duas em processo de fundação. 

A pró-reitora de Planejamento e Desenvolvimento Institucional, Gisele Coelho Lopes, acredita no movimento que possibilitará o desenvolvimento de competências profissionais importantes, muito requeridas pelo mercado de trabalho. “Além do comportamento empreendedor, resiliência e proatividade, visão estratégica e capacidade de solucionar problemas complexos, são essenciais para os profissionais neste novo tempo. A Unesc é forte apoiadora do movimento, tendo resolução própria e também de condições para minimizar a rotatividade dos sócios, um desafio muito presente aos projetos de empresas juniores em instituições comunitárias não públicas”, reforça.

Para o coordenador do Departamento de Amparo às Empresas Júniores do DCE, Cassiano Farias, a aproximação com o Movimento irá proporcionar aos acadêmicos uma maior vivência no ambiente empreendedor e agregar conhecimento nas áreas em que atuam. “Queremos dar mais visibilidade às EJ’s que já estão aqui dentro da Unesc e potencializar a formação de novas empresas, alinhadas com um programa institucional que garanta a sua manutenção e permanência, para isso temos que ter a instituição como principal investidora e fiadora desse projeto. Isto porque, percebemos que atualmente boa parte dos estudantes, colaboradores e até professores não sabem o que é uma EJ. Este movimento possui um potencial muito grande de formação e capacitação de lideranças e a Unesc, bem como os movimentos estudantis, não podem ficar alheios ao que vem ocorrendo nas EJ’s”, enaltece.

Alinhado à gestão institucional e acadêmica, o movimento pretende crescer e ganhar novos espaços dentro da comunidade. “Quem sabe, num futuro, poderemos conquistar que uma parcela dos serviços contratados na Unesc, sejam realizados por empresas autogeridas por estudantes. Empresas sólidas, que tenham uma perenidade”, prospecta Farias.

Liderando o movimento no Sul do estado, o grupo de empresários busca, ainda, assumir a vanguarda de um polo MEJ no extremo Sul de Santa Catarina. “Queremos adquirir autonomia, auxiliar na fundação das empresas e ser referência em nossa região”, assegura.

Continue Lendo

Mais vistos

© Copyright 2007-2021 sulnoticias.com