Conecte-se conosco

Economia

Inflação leva brasileiro a comer menos e pior, diz pesquisa

O levantamento mostra que compras ficaram quase 40% mais caras

Publicado

em

Ouça esta matéria

A inflação está fazendo o brasileiro comer menos e pior. A conclusão é do Painel de Uso de Alimentos e Bebidas, divulgado pela empresa Kantar.

A cada três meses, a pesquisa analisa os hábitos de 18 milhões de famílias em sete regiões metropolitanas no Sul, Sudeste e Nordeste do país.

O levantamento mostra que os itens básicos do carrinho de compras ficaram quase 40% mais caros de abril a junho deste ano na comparação com o mesmo período do ano passado. Para tentar driblar a inflação, as famílias reduziram em 3% a quantidade de alimentos comprados.

O diretor de Contas da Kantar Worldpanel, Bruno Machado, avalia que isso é comum em momentos de crise, mas, dessa vez, a situação parece ser um pouco mais difícil.

O frango está desaparecendo das mesas brasileiras. A pesquisa da Kantar mostra que a ave está dando lugar a produtos como salsicha, linguiça e hambúrguer no almoço e no jantar.

A Conab, Companhia Nacional de Abastecimento, acredita que em breve o preço do frango deve voltar a ficar estável.

As mudanças também afetam outros produtos presentes nas mesas brasileiras. Mais de 1 milhão de famílias pararam de comprar leite condensado nos últimos meses e passaram a consumir misturas lácteas, que são mais baratas. E, em quase 3 milhões de casas, o macarrão convencional deu lugar ao instantâneo, que custa menos.

A nutricionista e consultora da Associação Brasileira de Nutrição Mônica Rocha apresenta algumas sugestões para a substituição de alimentos de maneira mais saudável.

A Associação Brasileira de Nutrição faz a campanha Segue o Guia, em parceria com o Ministério da Saúde e a Organização Pan-Americana de Saúde, para orientar a população a escolher alimentos mais saudáveis, que nem sempre são os mais caros.

Continue Lendo
Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Economia

Inflação sobe 0,59% em outubro, após três meses de deflação

Publicado

em

Ouça esta matéria

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) subiu 0,59% em outubro, após apresentar deflação de 0,68% em julho, 0,36% em agosto e 0,29% em setembro. Com o resultado, a inflação acumula alta de 4,70% no ano e de 6,47% em 12 meses. Em outubro do ano passado, o IPCA fechou em 1,25%. Os dados foram divulgados hoje (10) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Por grupos, as altas mais intensas ocorreram em Vestuário, com 1,22%, e Saúde e Cuidados Pessoais, com 1,16%. As maiores influências no índice vieram dos grupos Alimentação e Bebidas, com alta de 0,72%, e Transportes, que ficaram 0,58% mais caros no período analisado. Apenas Comunicação apresentou queda, de 0,48%, puxado pelo subitem plano de telefonia móvel (-2,05%).

Segundo o IBGE, os itens e subitens com os maiores impactos individuais no IPCA do mês foram passagem aérea, que teve aumento de 27,38%, higiene pessoal (2,28%) e plano de saúde (1,43%).

Entre os alimentos, a alta foi puxada pela alimentação no domicílio, que ficou 0,80% mais cara, com forte influência do aumento do preço da batata-inglesa (23,36%) e do tomate (17,63%). O IBGE também registrou alta na cebola (9,31%) e nas frutas (3,56%).

Quedas

Pelo lado das quedas, o leite longa vida ficou 6,32% mais barato em outubro, após recuar 13,71% em setembro, e o óleo de soja caiu 2,85%, a quinta queda seguida. A alimentação fora do domicílio subiu 0,49%, com a desaceleração do lanche de 0,74% em setembro para 0,30% em outubro e o aumento na refeição de 0,34% para 0,61% na passagem mensal.

Os combustíveis registraram queda em outubro, com redução de 1,56% na gasolina, 2,19% no óleo diesel e 1,21% no gás veicular. Apenas etanol registrou alta, de 1,34%.

O IBGE também aponta recuo no transporte por aplicativo, que caiu 3,13%, após a alta de 6,14% registrada em setembro. O preço da passagem de ônibus urbano teve queda de 0,23%, com a redução aos domingos em Salvador (2,99%).

O grupo Vestuário segue com tendência de alta desde a retomada das atividades após o isolamento social imposto pela pandemia da covid-19, com aumento nos preços das roupas masculinas (1,70%) e femininas (1,19%). Segundo o instituto, o grupo acumula a maior variação em 12 meses, com 18,48%.

Em Habitação, houve desaceleração de 0,60% em setembro para 0,34%, influenciado pela queda de 0,67% no gás de botijão.

Por região, todas as áreas pesquisadas apresentaram alta em outubro. A maior variação ocorreu no Recife (0,95%), com os aumentos da energia elétrica (9,66%) e das passagens aéreas (47,37%). O menor índice veio de Curitiba (0,20%), com os recuos na energia elétrica (9,88%) e na gasolina (2,40%).

Continue Lendo

Economia

Prefeitura de Cocal do Sul passa a receber pagamento de tributos via pix

Publicado

em

Ouça esta matéria

Com o objetivo de facilitar a vida do contribuinte, dando um passo a mais na modernização, a partir de agora a Prefeitura de Cocal do Sul passa a receber o pagamento de tributos através de pix. Dessa forma, as pessoas poderão contar com mais agilidade, evitando filas em lotéricas e deslocamento.

A ferramenta é uma facilidade tanto para o contribuinte como também para a prefeitura. Conforme o secretário de Administração, Fazenda e Planejamento, Juarez de Souza Medeiros, é possível fazer o pagamento de IPTU, alvará de funcionamento, ITBI, dívidas do meio ambiente, além de outros tributos. Além disso, antes haviam poucos bancos conveniados e agora o pix engloba todos os bancos.

“A vantagem é tanto para quem recebe como para quem efetua o pagamento, trazendo mais rapidez na liberação dos serviços e facilitando a vida do contribuinte, tendo em vista que a procura por esta ferramenta era muito grande”, declara o secretário.

O pagamento do pix pode ser feito através da leitura do QR Code, sendo que alguns boletos podem ser retirados no site e outros na prefeitura. Para consultar as condições de pagamento e tirar dúvidas, os contribuintes podem ligar para os números 3444-6022; 3444-6021 ou 3444-6020.

Continue Lendo

Economia

Sicredi amplia portfólio de investimentos com lançamento da oferta de Renda Variável

Publicado

em

Ouça esta matéria

O Sicredi, instituição financeira cooperativa com mais de 6 milhões de associados e presença em todos os estados brasileiros, passa a oferecer acesso direto ao mercado de capitais com o lançamento de sua operação de renda variável. Com uma nova experiência, os associados poderão negociar ações, fundos imobiliários, ETFs e BDRs no mercado à vista pelo Home Broker Sicredi, além de contar com atendimento digital via WhatsApp da instituição.

O Home Broker do Sicredi está disponível em versão web e para dispositivos móveis, a qual tem conexão com o aplicativo principal do Sicredi, permitindo que por meio dele seja feito o acompanhamento dos investimentos, assim como envio e retirada de recursos para compra de ativos. Além disso, em parceria com a Eleven Research, os associados do Sicredi poderão receber informações sobre o mercado financeiro e recomendações de investimentos em renda variável, enquanto para o público em geral, estão disponíveis conteúdos didáticos sobre o mercado de capitais no site do Sicredi.

A fim de celebrar o momento, em parceria com a B3, foi realizada na manhã do dia 7 de novembro a cerimônia de toque de campainha, durante a abertura do pregão. O evento simbolizou o lançamento oficial da operação de renda variável do Sicredi.

“Com essa novidade buscamos oferecer a melhor experiência para os nossos associados, ampliando nosso portfólio de investimento e apoiando na democratização ao acesso a investimentos em renda variável. Acreditamos que o lançamento do home broker é o passo natural para a expansão do nosso portfólio e será muito bem recebido pelos associados”, comenta Alexandre Barbosa, diretor executivo de Administração do Sicredi.

“O lançamento de plataformas que facilitem o acesso desses investidores ao mercado de capitas, com o advento da tecnologia como meio para tornar as interfaces mais simples e acessíveis, é um grande ganho para o ecossistema do mercado financeiro e de capitais,” pontuou Fábio Hull, diretor de Relacionamento com Clientes da B3.

O lançamento da operação de renda variável é mais um movimento do Sicredi para ampliação do portfólio de produtos de investimento da instituição, que já conta com diversas soluções de Renda Fixa, além de mais de 20 opções de Fundos de Investimento e Previdência.

Cadastro

Para acessar o home broker, os associados deverão realizar o cadastro com o apoio de uma das agências do Sicredi e os gerentes darão os direcionamentos necessários para que utilizem os novos produtos.

Continue Lendo

Mais vistos

© Copyright 2007-2022 sulnoticias.com