Conecte-se conosco

Geral

Parceria com prefeitura de Criciúma possibilita a oferta de mais de um milhão e meio de reais em bolsas de estudo na Unesc

Publicado

em

Ouça esta matéria

O sonho de cursar a graduação em Farmácia surgiu na vida de Robson Preto Cardoso, de 46 anos, ainda muito jovem. Aos 11 anos, quando precisou trabalhar para ajudar a família de origem humilde na cidade de Cornélio Procópio, Paraná, foi como balconista de uma farmácia que ele encontrou uma forma de renda e, mal sabia o então menino, uma profissão promissora para toda a vida. Atualmente, aos 46 anos, Robson construiu uma carreira na área comercial ligada à indústria farmacêutica e dá os sonhados passos para a formação técnica na graduação de Farmácia da Unesc. Além de estar em sala de aula realizando seu sonho, Robson tem o orgulho de ter a filha como colega, influenciada pela paixão do pai. Eles estão entre as centenas de criciumenses que realizam o sonho da primeira graduação graças ao montante de mais de R$1,5 milhão investidos em Bolsa de Estudos pela Prefeitura Municipal de Criciúma na Universidade.

Gabriela, de 19 anos, cresceu vendo o pai se dedicar ao ramo farmacêutico e, assim como ele, acredita nas inúmeras portas que se abrem com a formação acadêmica na área. Para o pai, a realização é completa e as perspectivas de futuro, imensuráveis. “Trabalhando há tantos anos nessa área eu vejo as oportunidades que ela oferece e desejo isso para a minha filha. Já que não tive condições de estudar lá atrás, quero agora aproveitar a oportunidade que a Unesc e a prefeitura oferecem e conquistar meu diploma. Quem se interessa encontra a oportunidade que precisa aqui”, garante.

O caçula da família, João Gabriel, tem 17 anos e já pensa na carreira profissional que quer seguir. Ao contrário do pai e da irmã, o garoto não demonstra interesse pelo ramo farmacêutico, mas já sabe onde vai buscar a realização de uma formação. “Ele está na reta final do Terceiro Ano e já sabe que é aqui, neste campus, que vai estudar. Como já buscamos todas as informações sobre as diferentes possibilidades de bolsas na Unesc, estamos confiantes de que ele também conseguirá reunir os documentos necessários para ser contemplado. O caminho ele já sabe, basta que tenha dedicação nessa entrega”, pontua o pai confiante.

Para quem, assim como a família Preto Cardoso, tem o sonho de conquistar o diploma de graduação, a dica do patriarca da família é simples: “Basta querer. Oportunidade e apoio da Unesc para isso, tem de sobra”, acrescenta.

Inscrições abertas

O processo seletivo para seleção de estudantes de graduação candidatos à bolsa de estudos na Unesc está aberto e recebe inscrições até a próxima segunda-feira, dia 20 de setembro. Conforme a coordenadora da Atenção ao Estudante, Juliana Lora, é importante que os estudantes de graduação que moram em Criciúma busquem a documentação necessária e façam a inscrição na tentativa de conquistar uma bolsa. “A oferta do Município contempla muitos acadêmicos e vale a pena a dedicação para entregar a documentação necessária. Percebemos que, por conta do processo burocrático, muitos estudantes desistem, porém, estamos à disposição para ajudar e orientar para que o maior número possível de acadêmicos seja contemplado”, explica.

A dinâmica de concessão semestral de bolsas de estudos por meio do Município, conforme o secretário-geral do Município, Vagner Espíndola Rodrigues, é rigorosa e segue uma série de exigências legais, porém é pensada de forma cuidadosa para oferecer justiça e oportunidade. “É imprescindível que o poder público participe efetivamente da formação de profissionais para que o desenvolvimento da cidade seja baseado em projetos realmente necessários. Em Criciúma o Governo entende essa necessidade e nunca mediu esforços para auxiliar na formação de cidadãos, sempre em parceria com a Unesc e todos que comungam do mesmo pensamento”, destaca.

Entre as possibilidades oferecidas na Unesc por meio do Município de Criciúma está a bolsa de 100% para estudantes com deficiência e 50% para pessoas comprovadamente carentes. O cálculo do índice de carência levado em consideração na seleção é feito a partir de dados como o número de integrantes do grupo familiar, a renda mensal bruta familiar ou individual e o patrimônio familiar ou individual.

A parceria com a Prefeitura de Criciúma na concessão de bolsas, para a reitora da Unesc, Luciane Bisognin Ceretta, possibilita a mudança de vida de centenas de famílias a cada semestre. “Acompanhamos de perto a luta de muitos alunos que, por meio da Bolsa PMC, conseguem concluir a graduação e iniciar uma carreira. Muitos deles são os primeiros da família a conquistar o diploma. A dimensão disso é gigante. A Prefeitura confia na Unesc ao investir nas bolsas de estudos e nós confiamos nos estudantes que, formados aqui, fazem a diferença no mercado lá fora e, principalmente, mudam suas realidades dentro de casa por meio do conhecimento”, aponta.

Atenção na reta final

A Central de Atenção ao Estudante (Centac) da Unesc trabalha em ritmo acelerado ao longo de toda a última semana de inscrições para o edital de bolsas de estudos da Prefeitura de Criciúma. Os acadêmicos que residem em Criciúma e tiverem interesse em fazer a inscrição para concorrer ao benmefício concedido pela Prefeitura podem acessar as informações completas no site da Universidade (http://www.unesc.net/portal/capa/index/231/0/0/componente/processo/ver/1/18#documentos) e tirar dúvidas por meio dos telefones (48) 9 9915-0433 ou ainda 3431-2545 ou 3431-4500.

Continue Lendo
Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

Comitiva da Prefeitura de Criciúma conhece instalações educacionais e econômicas de Medellín na Colômbia

Publicado

em

Ouça esta matéria

A comitiva da Prefeitura de Criciúma iniciou agenda em Medellín, na Colômbia, nesta segunda-feira (27). No primeiro dia, a equipe foi recepcionada pela Agencia de Cooperación e Inversión de Medellín (ACI), instituição responsável pelas relações internacionais. Na oportunidade, foram apresentadas algumas ações voltadas ao avanço econômico e sociocultural. A comitiva também visitou a Secretaria de Educação.

No local, a equipe realizou uma reunião com o diretor de relações internacionais de Medellín, Jonatan Ballesteros, e os responsáveis pela educação e cultura e pelo desenvolvimento econômico do município colombiano. “Após a reunião, fizemos uma visita institucional a Plaza Mayor, um complexo internacional de convenções e exposições de Medellín e é um dos mais modernos da Colômbia”, comentou a coordenadora pedagógica, Lívia da Silva.

A comitiva também apresentou o município criciumenses aos responsáveis. “Comparar o modelo de desenvolvimento de Medellín com o de Criciúma está sendo muito bom, pois nos possibilita vermos onde estamos acertando e onde podemos avançar”, ressaltou o secretário de Educação, Miri Dagostim.

Além do secretário de educação e da coordenadora, a comitiva é composta pelo diretor de Desenvolvimento Econômico, Tecnologia e Inovação, Aldinei Potelecki, o diretor de Tecnologia da Informação (TI), Tiago Pavan, coordenadora-geral da Secretaria de Educação, Cristiane Uliana, o presidente da Câmara de Vereadores, Arleu Da Silveira e a vereadora Roseli De Lucca.

Continue Lendo

Geral

Doação de órgãos: Um gesto de amor ao próximo

Publicado

em

Ouça esta matéria

Instituída pela Lei nº 11.584/2.007, o dia nacional de doação de órgãos foi criado para conscientizar a sociedade sobre a importância da doação e, ao mesmo tempo, fazer com que as pessoas conversem com seus familiares e amigos sobre o assunto. Foi por meio deste gesto de conscientização da sociedade, que a vida do Antenor de Jesus, 47 anos mudou e hoje ele sorri e celebra um novo começo.

O supervisor de qualidade de confecções, descobriu em 2013 que era portador de um problema chamado nefropatia por IGA (problema que atinge os rins); por oito anos realizou inúmeros tratamentos entre eles hemodiálise e uso de medicações para controlar o problema. Durante todo este tempo, Jesus precisava vir todos os dias ao Hospital realizar seu tratamento.

Mas no dia oito de agosto de 2021, a vida do supervisor mudou, quando recebeu uma ligação do serviço de transplante renal do HSJosé dizendo que havia chego um “presente” para ele. “Recebi a ligação da doutora Cassiana Mazon Fraga, perguntando como eu estava e que tinha chego um presente para mim (05/08/21 às 16h30), foi muita felicidade. Fiz o transplante no mesmo dia; iniciamos às 22h30 e acabou 1h30 do dia 06/08/21, que considero meu novo aniversário. A equipe do HSJosé, minha família e amigos foram muito importantes para minha recuperação e são até hoje”, relatou emocionado.

Apesar da dor dos familiares por ter perdido um ente querido, a doação de órgãos é um ato de amor e de generosidade.

O que é o transplante de órgãos:

Transplante é o ato de transferir um órgão, tecido ou célula de uma pessoa/doadora para outra/receptor.

A doação de órgãos pode acontecer de duas maneiras; por meio de doadores vivos ou falecidos. Em vida, as pessoas podem doar rins, parte do fígado ou do pulmão e medula óssea. Por lei, familiares podem ser doadores até o quarto grau de parentesco, quem estiver fora deste parâmetro, poderá ser doador somente com autorização judicial.

A doação de órgãos para pessoas falecidas já é diferente. Para ser um doador, a pessoa precisa ter deixado claro em vida, sua intenção de ser um doador; após a morte, a família precisa concordar com a doação.

O doador falecido é a pessoa com dano cerebral irreversível, a morte encefálica (ME), que é causada por traumatismo craniano ou acidente vascular cerebral. Quando acontece a morte encefálica, uma série de exames para constatar o dano cerebral precisa ser realizado. Somente após o resultado destes exames, o médico neurologista pode dar o diagnóstico de que a pessoa é um possível doador.

Muito já se sabe sobre a doação de órgãos, nos últimos anos, houve no mundo todo uma ampla discussão a respeito do tema, mas de acordo com as comissões que realizam a entrevista com os familiares, ainda há um difícil entendimento, o que resulta em um alto índice de recusa familiar.

“Dentro do Hospital São José, temos uma Comissão Hospitalar de Transplante muito ativa. Sempre que somos comunicados sobre a Morte Encefálica (ME) de algum paciente, após todos os exames necessários realizados, entramos em contato com os familiares. Explicamos todo processo da ME, e falamos sobre a importância da doação de órgãos e para que outras famílias não passem por este sofrimento e que mesmo na dor eles podem ajudar outras pessoas autorizando a doação de órgãos. Explicamos que mesmo na dor é um dever do profissional da saúde estar explicando sobre isso. É doloroso sim, mas precisamos tentar ajudar as pessoas e nos colocamos a disposição da família que está sofrendo naquele momento”, explica Renata Mendes Machado, enfermeira do HSJosé e participante da CHT do HSJosé.

Quem pode ser um doador e o que pode ser doador de órgãos:

Todas as pessoas podem ser doadores de órgãos. O importante é sempre deixar a família avisada sobre a intenção de se tornar um doado. A compatibilidade de cada pessoa será avaliada por médicos e exames complementares.

O ser humano pode doar rins, coração, pulmão, pâncreas, fígado, intestino, córneas, válvulas, ossos, músculos, tendões, pele, veias e artérias. A avaliação sobre a doação dos órgãos será sempre antes de realizar a captação de órgãos.

A Comissão Hospitalar de Transplantes no HSJosé

O HSJosé possui uma Comissão Hospitalar de Transplantes-CHT desde 2005. A equipe é composta por médicos e enfermeiros dedicados e experientes na área. Os profissionais divididos em equipes e plantões, auxiliam em conjunto no reconhecimento da morte encefálica e abordagem da família do paciente explicando sobre a ME e também fornecendo todas as informações e atendimento necessários para os familiares, bem como, auxiliando no processo de captação.

“Todos os casos de ME são acompanhados por esta equipe que dá suporte a família, dá suporte ao diagnóstico da morte, sempre supervisionado pela Central Estadual de Transplantes. Quando um paciente é identificado com ME a equipe auxilia no diagnóstico efetivo da ME, dá suporte à família neste processo juntamente com a equipe assistente. A medida em que se confirma a morte, a equipe aborda a família do paciente para determinar a vontade ou não da família em doar os órgãos”, explica o médico dr. Felipe Dal Pizzol (CRM- 10643/RQE-8822), médico intensivista, e coordenador da Comissão Hospitalar de Transplantes do HSJosé.

O serviço que funciona 24h no HSJosé, já realizou este ano, 37 notificações de morte encefálica, destas, 24 entrevistas com familiares, 18 captações de órgãos foram autorizadas e seis pessoas recusaram a doação de órgãos de seus familiares. “Em qualquer lugar do Brasil, existe uma lista de espera de pessoas que necessitam de transplante de alguma natureza, rim, fígado, pulmão, coração, córneas; mas a demanda é sempre maior que a oferta, então é uma lista que dificilmente é zerada. A doação de órgãos permite que se possa ajudar essas pessoas, melhorar a qualidade de vida delas, como um gesto de doação, um gesto de amor ao próximo”, finalista Dal Pizzol.

Em Santa Catarina existe atualmente 1224 pessoas na fila de espera por um órgão. Em 2021 em todo Estado foram realizadas 71 notificações de possíveis doadores, destas, 49 doações foram efetivadas, e somente no Sul 26.

Continue Lendo

Geral

Pela primeira vez, comunidades terapêuticas terão apoio do Governo de Içara

Publicado

em

Ouça esta matéria

O Governo Municipal de Içara assinou um termo de cooperação com as comunidades terapêuticas da região. Pela primeira vez, o município vai colaborar com oito vagas mensais em clínicas cadastradas na prefeitura para acolhimento voluntário de dependentes de álcool e drogas. Inicialmente foram assinados os convênios com a Associação de Famílias para Assistência ao Indivíduo Carente (AFASSIC), Centro de Reabilitação Humana Fazenda São Jorge Feminina, Centro de Reabilitação Humana Fazenda São Jorge ll, Associação Anti-Álcool e Dependência Química de Apoio às Famílias do Extremo Sul Catarinense, além do Centro de Reabilitação e Tratamento de Adicção (CETRAD).

“Eu sempre digo, nossa cidade cresce muito em números, mas se não melhorar a qualidade de vida de quem vive aqui, não adianta nada. Queremos dar um suporte para essas casas, que elas possam acolher bem os nossos içarenses que precisam da reabilitação do álcool e das drogas e também as famílias que precisam deste apoio na hora de internar o seu ente querido. É o início de uma parceria que estamos apostando muito”, disse a prefeita de Içara, Dalvania Cardoso.

Os convênios serão administrados pela Subsecretaria de Políticas Sobre Drogas de Içara. “Esse momento está sendo muito especial para o município. É uma alegria saber que agora vamos poder apoiar quem mais precisa. Eu sempre pedia uma vaga, muitas vezes não tinha como, não tinha espaço, mas eles davam um jeito, agora estamos retribuindo o apoio de longos anos”, disse emocionada Mara Rubia Scremin, coordenadora da Subsecretaria.

Outras comunidades que tiverem interesse podem procurar a secretaria. “A dependência química é um problema de saúde que precisa ser tratado de forma adequada. Com isso as comunidades terapeutas oferecem um atendimento especializado para que os cidadãos consigam retornar ao convívio social, depois do tratamento. Cada comunidade terapeuta é voltada para um público e faixa etária de idade, por isso estamos abertos para apoiar todas”, completou o secretário de saúde do município, Sandro Ressler.

Continue Lendo

Mais vistos

© Copyright 2007-2021 sulnoticias.com