Conecte-se conosco

Geral

Prefeitura de Criciúma concede mais de R$ 1,6 milhão em bolsas de estudo

Publicado

em

Ouça esta matéria

Com as inscrições abertas, a Prefeitura de Criciúma investiu mais de R$ 1.616.924 em bolsas de estudos, destinadas aos estudantes de graduação da Universidade do Extremo Sul Catarinense (Unesc). A iniciativa contempla pessoas carentes e/ou pessoas com deficiência. O edital e a ficha de inscrição estão disponíveis no Diário Oficial Eletrônico (DOE), por meio do link: www.criciuma.sc.gov.br/site/doe.php?diario=2477#conteudo.

A entrega da documentação está marcada para ocorrer entre os dias 24 e 26 de março, no hall de entrada do Paço Municipal Marcos Rovaris, das 8h30 às 17h. Os interessados também podem apresentar a documentação na Central de Atendimento ao Acadêmico (Centac) da Unesc até 26 de março, das 8h30 às 21h.

As pessoas carentes podem concorrer as bolsas de 50%, e candidatos portadores de deficiência podem requerer 100%. Os selecionados deverão se enquadrar nos seguintes critérios: residir há cinco anos consecutivos em Criciúma, não ter diploma de graduação, estar matriculado em um dos cursos de Ensino Superior da Unesc, ter renda familiar bruta per capita de até três salários mínimos, não ter sido reprovado em três ou mais disciplinas no semestre anterior, se tiver recebido bolsa no semestre anterior.

A relação dos inscritos será publicada no site oficial da prefeitura www.criciuma.sc.gov.br e da Unesc www.unesc.net, no dia 31 de março. Nos mesmos endereços eletrônicos também será disponibilizada a lista dos pré-classificados, no dia 30 de abril. A relação oficial dos classificados contemplados e em lista de espera será divulgada no dia 13 de maio.  

Continue Lendo
Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

ACTU emite comunicado sobre os serviços de transporte na pandemia

Publicado

em

Ouça esta matéria

O transporte coletivo de Criciúma, bem como de todo o Estado de SC, foi um dos setores econômicos que mais foi atingido pela pandemia da Covid-19. Foram 114 dias de paralisações intercaladas, medida esta única no Brasil, e que não trouxe comprovações da sua efetividade no que diz respeito ao combate ao coronavírus.

Mesmo com o retorno das atividades, durante todos os meses em que vivemos na pandemia, o transporte coletivo atendeu às restrições impostas pelos decretos do Governo do Estado e Governo Municipal, absorvendo custos e prejuízos. Ainda solidárias ao momento, as empresas se mantiveram operando com a mesma tarifa desde 2017, mesmo com o setor parado, transportando apenas 25% da demanda anterior à pandemia.

Como medida de adaptação a esse novo momento, e também por conta da baixíssima demanda de passageiros em muitas linhas, as empresas cumpriram, os ajustes de horários e linhas determinados pelo poder concedente, salvaguardando a sustentabilidade financeira, manutenção dos postos de trabalho e pagamento das suas obrigações financeiras. Além disso, diferente das capitais, onde as operadoras de transporte coletivo receberam incentivos fiscais, nas cidades do interior, esse benefício não foi recebido.

Coube ao setor de transporte coletivo, onde todos os protocolos de higienização são mantidos, a responsabilidade de gerenciar com a capacidade de 50%, um dia a dia normal de movimento da economia de Criciúma. Escolas abertas, comércio funcionando a pleno vapor, indústrias operando normalmente e ainda gratuidades acessando também o sistema. Em paralelo, uma tarifa de R$ 3,90 que é atraente ao usuário e se apresentou muito mais viável financeiramente do que outras formas de deslocamento. É bom ressaltar que em tempos normais essa alta demanda de passageiros seria a melhor notícia para as empresas de transporte, não fosse a situação de pandemia em que vivemos.

Por conta disso, empresas novamente foram ao Poder Executivo pedir medidas que permitissem uma melhor distribuição desse grande público dos horários de pico, para que sejam atendidas o maior número de pessoas, observando todas as regras sanitárias.

Tais ajustes viriam a ajudar a mitigar o impacto do sistema de transporte neste momento em que, mais uma vez, a responsabilidade recai nas empresas de transporte coletivo. É necessário que uma readequação com a contribuição de todos os setores, especialmente comércio, construção civil, indústria do vestuário e das instituições de ensino.

Essa é a análise do momento em que vivemos e que precisa ter o entendimento da sociedade. As empresas de transporte coletivo seguem fazendo o seu papel neste momento tão difícil. Porém, assim como ocorre com os serviços de saúde, os ônibus seguem para um momento de colapso, pois não conseguirão atender à demanda nas atuais condições, tão pouco os empregos do setor e o bom atendimento aos nossos clientes, que sempre foi e continuará a ser o nosso maior objetivo.

Continue Lendo

Geral

Cocal do Sul encaminha plano de habitação para atender famílias carentes

Publicado

em

Ouça esta matéria

O sonho de ter a casa própria está mais perto de se tornar realidade para muitas famílias em Cocal do Sul. O prefeito Fernando de Fáveri recebeu nesta quinta-feira (4) o secretário de Estado de Desenvolvimento Social, Claudinei Marques. O objetivo do encontro foi para tratar da elaboração de um plano de habitação para famílias de baixa renda, que irão se enquadrar nos critérios estabelecidos por um estudo socioeconômico que ainda será explanado. Além do secretário, o prefeito também recebeu o deputado estadual Sérgio Motta (Republicanos).

“Vamos colocar em prática a construção de casas populares no município, através de uma parceria entre Cocal do Sul e o Governo do Estado, beneficiando muitas famílias; esse foi o primeiro passo e nos sentimos muito honrados pela visita do secretário e pela sinalização positiva quanto ao projeto”, salienta Fernando. O secretário Claudinei afirmou durante o encontro que o projeto habitacional será realizado em diversos municípios de Santa Catarina, porém Cocal do Sul será prioridade, firmando compromisso com a cidade.

O secretário apresentou um modelo japonês de casas populares, com tecnologia e ponta, sendo que as casas não precisam receber pintura e podem ser concluídas em apenas quatro dias. A administração municipal fornecerá o terreno para a construção, que já foi obtido, além das ruas pavimentadas, e o Governo do Estado instalará as residências. “O segredo nisso tudo será o dono das casas, que será o município, portanto a pessoa que for morar na casa não poderá vendê-la e nem alugá-la, se ela sair terá que devolver ao município, que irá cedê-la a outra pessoa dentro dos critérios socioeconômicos que serão avaliados criteriosamente”, explica o prefeito.

De acordo com o prefeito, agora serão feitas as tramitações para colocar o projeto habitacional em prática, que não trará custo para as pessoas. “Quando a pessoa de baixa renda consegue deixar o aluguel de lado, ela vai ter uma condição de vida melhor e é isso que a gente preza para o povo sul-cocalense, o bem-estar de cada um”, finaliza o prefeito.


Texto e foto – Amanda Farias/PM Cocal do Sul

Continue Lendo

Geral

Confirmada a transmissão local da variante da Covid no estado

Publicado

em

Ouça esta matéria

A Secretaria de Estado da Saúde de Santa Catarina (SES/SC), por meio da Superintendência de Vigilância em Saúde (SUV) confirma a identificação de dois casos autóctones (transmissão dentro do estado) da variante de atenção P.1. do SARS-CoV2, conhecida como a variante brasileira.

Os casos foram confirmados pelo Laboratório Central de Saúde Pública (LACEN/SC) no dia 02 de março que, seguindo o fluxo da vigilância genômica nacional, encaminhou as amostras para o Laboratório de Referência Nacional para Santa Catarina – a Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ) do Rio de Janeiro – que realizou o sequenciamento genético das amostras, identificando a variante P.1 em dois pacientes, residentes nos municípios de Joinville e Camboriú.

De acordo com a Diretoria de Vigilância Epidemiológica (DIVE/SC), as investigações conduzidas pelas equipes de vigilância em saúde das Secretarias Municipais de Joinville e de Camboriú apontam que os dois casos – todos do sexo masculino com idades de 39 e 68 anos – não tinham registro de viagens para outras áreas do país com transmissão comunitária reconhecida da variante P.1 nos últimos 30 dias, o que caracteriza a transmissão comunitária dentro do estado.

Variante P.1 sequenciada pela UFSC
A equipe da Força Tarefa Covid-19 da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) comunicou à Secretaria de Estado da Saúde (SES/SC) que realizou sequenciamento genômico de três amostras oriundas do laboratório do Hospital Universitário da UFSC. Estas amostras foram recebidas no dia 22 de fevereiro, e os resultados do sequenciamento foram comunicados no dia 01 de março para a SES/SC e para a Secretaria Municipal de Saúde de Florianópolis.

A SMS/Florianópolis realizou investigação epidemiológica que confirmou que os casos não tiveram histórico de viagem para outras regiões nos últimos 30 dias, o que pode caracterizar como sendo casos autóctones.

As amostras foram encaminhadas para o Lacen/SC, que as enviou para a Fiocruz do Rio de Janeiro para realizar o sequenciamento genômico, que além de validar a técnica realizada pelo laboratório da UFSC, poderá confirmar a identificação de mais três casos autóctones da variante P.1 do vírus SARS-CoV-2 no estado de Santa Catarina.

Continue Lendo

Mais vistos

© Copyright 2007-2021 sulnoticias.com