Conecte-se conosco

Geral

Voo com 2 milhões de doses de vacinas decola da Índia

Publicado

em

Ouça esta matéria

Um avião da companhia Emirates, com remessa de 2 milhões de doses da vacina Oxford/AstraZeneca contra covid-19 decolou na madrugada de hoje (22) de Mumbai, na Índia, e deve chegar a São Paulo às 6h55 desta terça-feira.

A aeronave deixou a cidade indiana por volta das 10h30 da manhã (horário local), o que equivale a 2h da madrugada de hoje no horário de Brasília. A carga fará escala em Dubai, nos Emirados Árabes, de onde decolará para São Paulo às 22h40 (horário local) – 15h40 de hoje (horário de Brasília).

O voo chegará a São Paulo amanhã de manhã e as vacinas seguirão para o Rio de Janeiro, onde serão levadas para o Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Bio-Manguinhos/Fiocruz).

As doses foram produzidas pelo Instituto Serum, parceiro da AstraZeneca na Índia e maior produtor mundial de vacinas. Mesmo prontas, as vacinas precisarão passar primeiro por Bio-Manguinhos para que possam ser rotuladas antes de serem distribuídas ao Programa Nacional de Imunizações.

A importação de doses prontas é uma estratégia paralela à produção de vacinas acertada entre a AstraZeneca e a Fiocruz. Para acelerar a disponibilidade de vacinas à população, 2 milhões de doses já foram trazidas da Índia em janeiro e está previsto um total de 10 milhões de doses prontas a serem importadas. Além dos 2 milhões que chegam amanhã ao país, mais 8 milhões estão previstas para os próximos dois meses. 

Enquanto negocia a chegada das doses prontas, a Fiocruz trabalha na produção local das vacinas Oxford/AstraZeneca. Segundo o acordo com a farmacêutica anglo-sueca, a Fiocruz vai produzir 100,4 milhões de doses de vacinas até julho, a partir de um ingrediente farmacêutico ativo (IFA) importado. A primeira remessa desse insumo já chegou ao Bio-Manguinhos e o primeiro milhão de doses produzido na Fiocruz tem entrega prevista para o período de 15 a 19 de março.

De acordo com a fundação, os dois primeiros lotes estarão liberados internamente nos próximos dias. Esses lotes são destinados a testes para o estabelecimento dos parâmetros de produção.

“Com esses resultados, a instituição produzirá os três lotes de validação, cuja documentação será submetida à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Esses lotes somarão cerca de 1 milhão de doses e seus resultados serão enviados à Anvisa até meados de março”.

Também está em andamento na Fiocruz o processo de transferência de tecnologia para a produção do IFA no Brasil, o que tornará a fundação autossuficiente na produção das vacinas. A previsão é que as primeiras doses com IFA nacional sejam entregues ao Ministério da Saúde em agosto, e, até o fim de 2021, seja possível entregar 110 milhões de doses, elevando o total produzido no ano pela Fiocruz para 210,4 milhões. 

Continue Lendo
Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

A história de fé e luta da técnica de enfermagem de Forquilhinha para vencer o coronavírus

Publicado

em

Ouça esta matéria

No Dia Internacional da Mulher, comemorado neste dia 8 de março, a personagem de superação de Forquilhinha é a técnica de enfermagem da Vigilância Epidemiológica, Sandra Regina Colonetti, de 55 anos. Com uma fé imensa e esperança de cura, chegou ao hospital há cinco meses atrás, com febre, alteração nos batimentos cardíacos, um cansaço extremo e oxigenação baixa. Acompanhada pelo filho, Diego Nicoski, 29 anos, Sandra precisou ser internada, às pressas, após uma alteração na tomografia.

Os sintomas tiraram de atuação a profissional de linha de frente pela pandemia provocada por um vírus desconhecido, que hoje faz parte da história do mundo inteiro. Após ser hospitalizada começou um mal-estar e falta de ar, depois de alguns dias foi intubada e ali permaneceu por 32 dias. A paciente teve complicações renais, fez hemodiálise e traqueostomia. “Em momento algum eu pensei que iria morrer, eu rezava muito e cantava os hinos da igreja. Eu sentia que eu iria ficar curada. Tinha plena certeza e esperança que iria volta para casa. Pedia ao meu filho quando falava com ele ao telefone que rezasse por mim”.

Com 21 anos de atuação na área da saúde, a técnica de enfermagem nunca imaginou que enfrentaria um ser invisível e teria que lutar pela sua vida. O caminho foi longo e árduo. Foram 52 dias de internação até Sandra conseguir voltar para casa e encontrar a razão de toda a batalha: o seu filho.

A luta

A história de luta da paciente com Covid-19 de Forquilhinha começou em 3 de outubro, quando ela começou com os sintomas da doença. Uma tosse seca fez Sandra procurar o Centro de Triagem. Dias depois os sintomas foram se agravando e começou a febre, alteração dos batimentos cardíacos, enjoo e fraqueza, além da oxigenação baixa. Precisou ser internada, às pressas, no Hospital da Unimed, de Criciúma, após dias do diagnóstico positivo a doença.

No hospital, Sandra foi sedada e intubada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) após 11 dias internada. “Fui acolhida por todos os profissionais de saúde, extremamente capacitados em todos os níveis e setores, fez toda a diferença na minha vida”, declara, agradecida.

A recuperação

Nos 52 dias em que permaneceu no hospital, a paciente ficou em coma induzido. “Após os 52 dias de internação eu perdi toda a musculatura. Eu tive que aprender a andar, escovar os dentes, pentear os cabelos e a tomar banho sozinha. Mas Deus me deu uma nova vida e reforço que a fé e esperança foram imprescindíveis na minha recuperação”.

No início de dezembro voltei para casa curada da Covid-19. A partir daí, todos os dias era necessário fazer fisioterapia para recuperar os movimentos e fortalecer os músculos. Sandra também passou pela clínica de reabilitação pós-covid.

A mensagem

A funcionária pública que retornou ao trabalho no dia 22 de fevereiro, redobrou os cuidados e pede a todos que façam o mesmo. “Hoje eu agradecer por ter essa nova chance, mas quero chamar atenção das pessoas que se cuidem com uso de máscaras, higienização, distanciamento social. Ainda vamos ter muito tempo para fazer festas, e que tenhamos todos os cuidados necessários. Que neste Dia Internacional da Mulher seja de esperança de dias melhores. Nós vamos vencer, mas todos precisam se ajudar para não perder as pessoas da nossa família devido a doença. Sinto muita falta do abraço, do beijo, daquele calor humano, mas vai passar e iremos continuar a nossa vida. Se pudermos ajudar aos mais necessitados. Quem tem mais condições ajuda quem tem menos”.

Continue Lendo

Geral

Cermoful apresenta equipamento para manutenção de “linha viva”

Publicado

em

Ouça esta matéria

Os associados e consumidores da Cermoful estão recebendo mais um grande investimento da cooperativa para dar suporte e manter os excelentes índices de confiabilidade e agilidade no atendimento. Trata-se de um caminhão de Linha Viva equipado com o que há de mais moderno no seguimento para realizar serviços de manutenção e prevenção.


A realização de atividades nos sistemas energizados através da equipe de Linha Viva, garante mais agilidade e segurança na prestação dos serviços, em especial para as indústrias, comércios e prestadores de serviços essenciais como hospitais, postos de saúde, escolas, supermercados, entre outros, sem ter a necessidade de interromper o fornecimento de energia.

Segundo o Gerente Operacional da Cermoful Samuel Sartor, a equipe que vai operar o equipamento já recebeu todo o treinamento necessário para realizar os serviços que devem iniciar no decorrer da semana.

Para o presidente da Cermoful Rudy Recco, o trabalho está sendo realizado com transparência e seriedade, possibilitando realizar este grande investimento para oferecer atenção integral ao que há de mais importante na cooperativa, a satisfação e o bem estar dos associados e consumidores.

Continue Lendo

Geral

Mais duas mortes por Coronavírus em Criciúma

Publicado

em

Ouça esta matéria

Vigilância Epidemiológica de Criciúma confirmou neste sábado mais duas mortes em decorrência do Novo Coronavírus. As vítimas foram dois homens com 76 e 82 anos.

De acordo com os dados divulgados à imprensa, as duas vítimas eram portadores de comorbidades e estavam internados para o tratamento da Covid-19. Agora Criciúma soma 282 mortes desde o início da Pandemia.

Continue Lendo

Mais vistos

© Copyright 2007-2021 sulnoticias.com