Conecte-se conosco

Economia

Acadêmicos evidenciam tendências do verão 2019 no EnModa

Publicado

em

Ouça esta matéria

Criatividade, conhecimento e a integração estiveram em evidência na noite desta quarta-feira, dia 13, durante a realização de mais uma edição do EnModa (Encontro de Moda). A iniciativa dos alunos do curso de Design de Moda UNESC/SENAI apresentou as macrotendências primavera/ verão 2019 por meio da visão dos acadêmicos do curso. O evento que chegou a sua 15ª edição este ano tem o principal objetivo de gerar conhecimento, participação e integração de educação, indústria e sociedade, bem como, preparar os alunos para o mercado de trabalho na área de moda.

“Desde o início do semestre nós já iniciamos as pesquisas nos preparando para fazer a coleção. O desfile é a concretização de um grande trabalho que viemos realizando ao longo deste período”, esclarece a acadêmica da sexta fase, Débora Apolinário.

De acordo com a coordenadora do Curso Superior de Tecnologia em Design de Moda do SENAI/UNESC, Charlene Vicente Amâncio Nunes, foram apresentadas as coleções idealizadas pelos 38 alunos da sexta fase. “Todo o processo de criação e desenvolvimento é feito pelos próprios alunos. Cada aluno apresentou três looks na passarela e estas coleções foram desenvolvidas com a participação de 31 empresas parceiras”, explica Charlene.

Para o vice-presidente regional Sul da Fiesc, Diomício Vidal, o desfile apresenta os grandes profissionais que serão colocados no mercado de trabalho. “Garantimos qualificação e o desenvolvimento destes acadêmicos e isso reflete na melhora significativa da nossa indústria têxtil. Hoje tivemos aqui mais uma amostra do grande trabalho que vem sendo feito no curso preparando os nossos alunos para o mercado de trabalho”, garante Vida.

Além do desfile, foi realizada uma exposição fotográfica e exposição do projeto “Cápsula” com os estudantes da quarta fase e a exposição do projeto “Conceito” utilizando bonecas realizada pela segunda fase do curso.

O EnModa é aberto ao público que pode participar gratuitamente. No entanto, os interessados puderam levar um litro de leite ou um quilo de alimento não perecível que será encaminhado para instituições de Criciúma.

Continue Lendo
Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Mercado financeiro eleva projeção da inflação para 4,85% este ano

Publicado

em

Ouça esta matéria

A previsão do mercado financeiro para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), a inflação oficial do país, deste ano subiu de 4,81% para 4,85%. A estimativa está no boletim Focus de hoje (12), pesquisa divulgada semanalmente pelo Banco Central (BC), com a projeção para os principais indicadores econômicos.

Para 2022, a estimativa de inflação é de 3,53%. Tanto para 2023 como para 2024 as previsões são de 3,25%.

O projeção para 2021 está acima do centro da meta de inflação que deve ser perseguida pelo BC. A meta, definida pelo Conselho Monetário Nacional, é de 3,75% para este ano, com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo. Ou seja, o limite inferior é de 2,25% e o superior de 5,25%.

De janeiro a março, a inflação já acumula 2,05% e, nos últimos 12 meses, chega a 6,10%. Na semana passada, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), divulgou que, em março, o IPCA ficou em 0,93%, a taxa mais alta para o mês desde 2015, quando alcançou 1,32%. Em março de 2020, a variação havia sido de 0,07%.

Os principais impactos vêm dos aumentos nos preços de combustíveis (11,23%) e do gás de botijão (4,98%). Já a inflação do grupo alimentação e bebidas, que influenciou a alta do índice nos últimos meses, vem desacelerando e está em 0,13%. Os preços continuam em alta, mas sobem menos a cada mês. As variações anteriores foram de 1,74% em dezembro, 1,02% em janeiro e 0,27% em fevereiro.

Continue Lendo

Economia

Receita adia o prazo de entrega da Declaração de Imposto de Renda

Publicado

em

Ouça esta matéria

A Receita Federal adiou, para 31 de maio, o prazo para entrega da declaração de Imposto de Renda da Pessoa Física, ano-base 2020. O período de ajuste anual, que começou em 1º de março, terminaria no dia 30 de abril, mas foi prorrogado pela Instrução Normativa nº 2.020/2021, publicada hoje (12) no Diário Oficial da União.

De acordo com a Receita, a prorrogação foi estabelecida como forma de suavizar as dificuldades impostas pela pandemia de covid-19, assim como aconteceu em 2019. No ano passado, o prazo foi estendido em dois meses, até 30 de junho.

“A medida visa proteger a sociedade, evitando que sejam formadas aglomerações nas unidades de atendimento e demais estabelecimentos procurados pelos cidadãos para obter documentos ou ajuda profissional. Assim, a Receita Federal contribui com os esforços do governo federal na manutenção do distanciamento social e diminuição da propagação da doença”, explicou, em nota.

Em razão do adiamento, o contribuinte que deseja pagar o imposto via débito automático desde a primeira cota deverá fazer a solicitação até o dia 10 de maio. Quem enviar a declaração após esta data deverá pagar a primeira cota por meio de Documento de Arrecadação de Receitas Federais (DARF), gerado pelo próprio programa de declaração. Nesse caso, as demais cotas poderão ser em débito automático.

Para aqueles que não optarem pelo débito automático, os DARFs de todas as cotas poderão ser emitidos pelo programa ou pelo Extrato da Declaração, disponível no Centro Virtual de Atendimento (e-CAC) no site da Receita Federal.

Também foram prorrogados para 31 de maio de 2021 os prazos de entrega da Declaração Final de Espólio e da Declaração de Saída Definitiva do País, assim como, o vencimento do pagamento do imposto relativo a essas declarações.

A Receita destacou ainda que disponibiliza diversos serviços aos cidadãos, que podem ser acessado sem sair de casa. Por meio do e-CAC com uma conta gov.br, o portal único do governo federal, o contribuinte tem acesso, por exemplo, aos comprovantes de rendimentos informados na Declaração de Imposto de Renda Retido na Fonte (DIRF) pelas fontes pagadoras, à cópia da última declaração entregue e à declaração pré-preenchida.

Continue Lendo

Economia

Números efetivam retomada da economia em Criciúma

Publicado

em

Ouça esta matéria

Apesar dos impactos negativos da pandemia na economia, Criciúma vem se restabelecendo neste cenário e apresentando crescimento contínuo na geração de empregos e abertura de empresas. Apenas nos dois primeiros meses deste ano, foram criados 702 novos negócios, um acréscimo de mais de 60% em comparação ao mesmo período do ano passado, de acordo com levantamento da Casa do Empreendedor do Governo Municipal. Houve também, segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), um saldo de 867 novos empregos formais gerados em fevereiro.

A expectativa é que esse número cresça nos próximos meses, já que apenas uma empresa de descartáveis, instalada no loteamento industrial Cizeski, na Linha Batista, está ampliando uma de suas duas fábricas e, com isso, pretende gerar aproximadamente 200 novos empregos para Criciúma. “Estamos dobrando a capacidade da nossa fábrica de embalagens para fast-food e delivery agora em abril e queremos contratar em torno de 200 novos colaboradores”, comentou o empresário, Anselmo Freitas.

Segundo ele, apesar das adversidades do momento, iniciativas do Município estão auxiliando o trabalho da empresa e de outras indústrias da região. “Recebemos um apoio muito importante da prefeitura, por meio da pavimentação do condomínio, onde estamos instalados juntos a outras empresas. Essa parceria facilitou muito o acesso e deslocamento”, revelou.

Apoio ao empreendedorismo

O Governo de Criciúma também aplicou uma série de medidas para impedir o fechamento de empresas e estimular a economia local, conforme explica o secretário municipal da Fazenda, Celito Cardoso. “Investimos em melhorias nos condomínios industrias e estamos implantando uma via marginal (parelale à rodovia), entre a Via Rápida e o Porto Seco. Além disso, prorrogamos o pagamento de impostos para os setores mais afetados pela pandemia”.

Continue Lendo

Mais vistos

© Copyright 2007-2021 sulnoticias.com