Conecte-se conosco

Polícia

Polícia apura Coação, Peculato e injuria racial

Publicado

em

Lauro Müller

A Polícia Civil cumpriu nesta terça-feira (10) sete mandados de busca e apreensão e dois mandados de afastamento de funções relacionados à investigação sobre suspeitas de crimes em uma entidade de atendimento educacional especializado em Lauro Müller, Sul do Estado. Há inquérito policial na delegacia local em andamento requisitado pelo Ministério Público para apurar as suspeitas. O Instituto Geral de Perícias (IGP) prestou apoio à ação.

Segundo o delegado Ulisses Gabriel, na requisição ministerial constou a existência de “notícia crime” anônima dando conta de suspeitas de que o presidente da entidade estaria agindo de forma a embaraçar as investigações, proibindo, inclusive, que os fatos fossem levados ao conhecimento do Ministério Público, bem como estaria supostamente perpetrando crimes de peculato na condição de presidente.

Houve relatório de investigação feito da delegacia de Orleans destacada para investigar o caso pela Delegacia Regional de Criciúma. Conforme o delegado, na investigação surgiram indícios de possíveis práticas de crimes de coação do curso do processo, peculato, injúria racial, tráfico de medicação controlada, associação para o tráfico, inserção de dados falsos em sistema informatizado da administração pública e associação criminosa. Foram deferidos até agora pela Justiça sete mandados de buscas e apreensão e dois de afastamentos após manifestação do Ministério Público. As investigações foram concentradas na delegacia de Orleans e contaram com a atuação e apoio da Promotoria de Lauro Müller através da promotora Larissa Zomer Loli.

A operação deflagrada se chama Tweed. No século 19, numa cidade do Nordeste, nos Estados Unidos, o prédio do tribunal demorou 20 anos para ser inaugurado e houve superfaturamento – terminou custando o dobro do valor que o país pagara na compra do Alaska. À época, os desvios foram comandados por William M. Tweed, ou ”chefe Tweed”.

As principais suspeitas apuradas

Entre as irregularidades apuradas até agora estão abastecimentos irregulares de veículos particulares; conserto de veículo da entidade com pagamento superior ao valor de mercado; tráfico de medicamento controlado por uma moradora de Cocal do Sul a qual fornece para o investigado fornecer para terceiros; desvios de alimentação da entidade; fraude ao SUS (Sistema Único de Saúde) com inserções de atendimentos indevidos; compras indevidas em mercados (por exemplo, caixas de leite adquiridas por valor alto em janeiro, quando não há aula) e uso indevido de linha telefônica.

Continue Lendo
Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

PM localiza arma e apreende quase 10 quilos de maconha no Renascer

Publicado

em

Criciúma

Uma operação da Polícia Militar terminou com a apreensão de quase 10 quilos de maconha nesta segunda-feira. O flagrante foi registrado no bairro Renascer, em Criciúma. Na ação uma arma também foi localizada pelos militares.

O ponto de tráfico foi descobertura durante uma ronda rotineira pela comunidade. Durante o trabalho de patrulha, os PMs receberam informações anônimas sobre uma residência na rua Cirlei Maria Barbosa Leandro onde estaria ocorrendo a prática do tráfico. Ao chegar na casa duas femininas foram abordadas. Elas confirmaram que moravam no imóvel, mas afirmaram desconhecer qualquer prática ilícita.

Durante as buscas, sob o assoalho da casa os policiais encontraram 9.856 kg de maconha, diversas porções de substância semelhante à crack, embaladas, pesando aproximadamente 543 g, diversas porções de substância semelhante à cocaína, embaladas, pesando aproximadamente 300 gramas, dois rolos de plástico filme, uma balança de precisão, uma tesoura, uma Pistola marca Canik TP9 calibre 9mm, com 1 munição no carregador.

As mulheres negaram a propriedade do material e afirmaram que ele pertencia a frequentadores do terreno. Como elas não informaram os nomes dos supostos responsáveis pela arma e pela droga acabaram detidas em flagrante e levadas a DP para os procedimentos legais.

Continue Lendo

Polícia

Trans é atacada com mais de 30 punhaladas em Içara

Publicado

em

Içara

Uma transsexual de 28 anos foi alvo de uma tentativa do homicídio no último sábado, em Içara. O caso está sob os cuidados da Polícia Civil, que trabalha para tentar identificar o autor das agressões. Além de receber mais de 30 facadas, ela ainda teve o carro e os pertences pessoais roubados. Justamente por isso o caso vem sendo tratado como tentativa de latrocínio.

Mineira radicada na região Rebeka Curtts relatou a agressão a Polícia e também expôs o caso nas redes sociais. O crime ocorreu na madrugada do último sábado. A vítima relatou a polícia que conhece um dos agressores e que o mesmo é seu cliente já há algum tempo.

Depois do ataque ela conseguiu escapar e pediu ajuda em um sítio. Em seguida foi socorrida pelos bombeiros e encaminhada ao Hospital. Um dos motivos para agressão seria uma dívida que o autor do crime teria com a vítima. Enquanto a Polícia Trabalha no caso, Rebeka promete uma manifestação em frente ao Fórum para pedir justiça. Ela ressalta que não é a primeira vez que é vítima de agressões na região.

Continue Lendo

Polícia

Homens são condenados por latrocínio de taxista em Urussanga

Publicado

em

Urussanga

O Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) obteve a condenação de dois homens pelos crimes de latrocínio e ocultação de cadáver de um taxista, ocorridos em janeiro deste ano em Urussanga. André dos Santos e Gutierri Pavan José foram condenados, respectivamente, a 27 anos e 10 meses e a 31 anos e 4 meses de reclusão em regime inicial fechado.

A ação penal ajuizada pela 2ª Promotoria de Justiça da Comarca de Urussanga relata que os dois réus se encontraram no dia 14 de janeiro para usar drogas. Para comprá-las, decidiram assaltar o taxista Joãozinho Bellucco, que já era conhecido de André e foi chamado com a desculpa de fazer uma corrida até a cidade vizinha de Morro da Fumaça.

Conforme denúncia apresentada pelo Promotor de Justiça Elias Albino de Medeiros Sobrinho, no trajeto da suposta corrida, na rodovia SC-445, ainda em Urussanga, os criminosos anunciaram o assalto e ordenaram a Joãozinho que parasse o veículo. Ali amarraram as mãos da vítima, cobriram sua cabeça com uma fronha e um saco plástico e roubaram seu celular, sua aliança e cerca de R$ 700,00 em dinheiro.

Em seguida, colocaram o taxista no banco de trás do veículo e se dirigiram para um local ermo – uma área isolada e cercada por mato na estrada que dá acesso ao Morro da Lagoa – onde André asfixiou o taxista utilizando uma corda de varal. Em seguida, os réus esconderam o corpo da vítima no mato, debaixo de pedaços de madeira e galhos de árvore.

Na sequência, em poder dos objetos roubados, os criminosos fugiram com o veículo da vítima, que foi abandonado e incendiado em outro lugar, com a intenção de destruir qualquer vestígio que os pudesse incriminar. O automóvel foi encontrado no dia seguinte. O corpo de Joãozinho, porém, só foi achado quatro dias depois pelo seu filho, que organizou buscas na região com ajuda de parentes.

Nos dias subsequentes, a investigação policial chegou aos autores do crime, ao apurar a tentativa de negociação do celular roubado e imagens da movimentação do veículo flagradas por câmeras de segurança. Os dois foram, então, presos temporariamente e em seguida tiveram decretada a prisão preventiva, situação que perdurou até a condenação.

O Juízo da 2ª Vara da Comarca de Urussanga julgou a ação do Ministério Público procedente e condenou os réus pela prática dos crimes de latrocínio (roubo cuja violência resulta na morte da vítima) e ocultação de cadáver. Presos durante todo o curso do processo, os réus tiveram negado o direito de apelar em liberdade. A decisão é passível de recurso.

Continue Lendo

Mais vistos